Destaques

Artesãs comemoram primeiro dia do projeto ‘Crochê na Lagoa’ e o suporte dado pela Prefeitura

Há cerca de quatro anos, Denise Costa começou a fazer crochê. Moradora do bairro Valentina, foi influenciada pela mãe, que já domina a arte há mais tempo. “Trabalho com blusas, biquínis, bolsas, artigos para mesa e decoração, tapetes, toucas, entre outros produtos. Também confecciono lembrancinhas por encomenda. Não é minha renda principal, mas hoje complementa a renda da minha família”, explica. Ela é uma das 25 artesãs participantes do projeto Crochê na Lagoa, que teve sua primeira edição nesta sexta-feira (18), no Parque Solon de Lucena.

O grupo de mulheres começou a se reunir no local há cerca de dois anos, mas não tinha um suporte de estrutura para fazer o crochê e vender suas mercadorias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedurb) tomou conhecimento da iniciativa e resolveu cadastrar as artesãs na Prefeitura, viabilizar tendas, mesas e cadeiras para que elas pudessem ficar em local adequado e também deu um nome ao projeto – Crochê na Lagoa. A partir de agora, toda sexta-feira, as empreendedoras estarão expondo seus produtos, das 8h às 16h, próximo às paradas de ônibus, em frente ao Centro Comercial de Passagem (CCP).

“Temos um projeto de sucesso desenvolvido por essa gestão, que é a Feira Móvel do Produtor, que já transformou a vida de mais de 90 produtores rurais e microempreendedores. Abraçar as crocheteiras e cadastrá-las na Prefeitura é um passo fundamental para a valorização profissional dessas mulheres e também faz parte da iniciativa da gestão municipal de ocupar os espaços públicos de maneira salubre, oferecendo serviço à comunidade e fomentando a economia local”, destacou Fábio Carneiro, secretário de Desenvolvimento Urbano.

As mulheres ficaram felizes com o suporte dado pela Prefeitura de João Pessoa e comemoraram o primeiro dia do projeto. “A gente não tinha um suporte, ficávamos atrás do posto da Guarda. A gente não vendia, era só uma reunião de amigas, de três mulheres. Aí foi crescendo o grupo, como terapia mesmo, um momento de descontração. Eu ensinava quem tinha interesse em aprender. A Sedurb ficou sabendo, nos abraçou e viabilizou a autorização para comércio dos nossos produtos no local, o que será de grande ajuda para nossa renda. Hoje, muita gente já esteve aqui, para conferir nossas peças, depois que a Prefeitura divulgou. Semana que vem já vamos trazer mais novidades”, reforçou Denise Costa.

Texto: Andrezza Carla
Edição: Cristina Cavalcante
Fotografia: Kleide Teixeira