Economia

Alckmin exalta oportunidades para Brasil “fazer a diferença” no mercado de energia limpa

Ao se dirigir ao público presente no estúdio da Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta terça-feira (15/8), durante a abertura da conferência O Powershoring e a Neoindustrialização verde do Brasil – Perspectivas, Potencial, Políticas, o presidente em exercício, Geraldo Alckmin, resumiu desta maneira como o Brasil pode se posicionar no contexto da nova economia verde e de transição energética em curso no planeta: “A pergunta sempre foi onde é que eu fabrico bem e barato? Agora é onde fabrico bem, barato e consigo compensar as emissões de carbono? Aí, o Brasil é a grande alternativa. Nós vamos ter a grande oportunidade. Nós já somos o quinto país do mundo em atração de investimento direto. Isso pode crescer enormemente”.

São muitas oportunidades de o Brasil fazer a diferença em energia limpa. Temos aí enormes possibilidades”

O Powershoring é uma estratégia empresarial de localização de plantas industriais e de produção em países com farta oferta de energias limpas, baratas, seguras e abundantes. É uma forma de atrair investimentos diretos estrangeiros a países da América Latina, especialmente o Brasil, neste processo global de crise climática e tensão geopolítica, onde é estratégico realocar complexos industriais para países que oferecem energias alternativas e limpas.

Nesse contexto, Alckmin destacou as várias potencialidades do Brasil, seja na produção de biodiesel, etanol e hidrogênio verde, ou com credenciais em outras novas áreas, ligadas, por exemplo, a minerais estratégicos como o lítio.

“São muitas oportunidades de o Brasil fazer a diferença em energia limpa. Eu vou trocar o motor a combustão por uma bateria. E cadê o lítio? Está no Brasil. Fizemos a primeira exportação de lítio carbono zero pelo Porto de Vitória 15 dias atrás. Já demos o segundo passo: produzimos o carbonato de lítio. Só falta o mais difícil, que é a bateria. Mas temos aí enormes possibilidades”, ressaltou o presidente em exercício.

CAMINHOS – Para Geraldo Alckmin, eventos como essa conferência são importantes para ampliar as discussões e ajudar a revelar novos rumos para o país crescer amparado em uma economia verde e sustentável. “Essa iniciativa é o início de inúmeras rotas, inúmeros caminhos para a gente combater as mudanças climáticas e o Brasil ser o grande protagonista desse novo momento”.

A abertura contou com a presença do presidente da CNI, Robson Braga de Andrade; do presidente do Banco do Nordeste, Paulo Câmara; do vice-presidente do Setor Privado do CAF, Jorge Arbache; e diretor de Planejamento e Estruturação de Projetos do BNDES, Nelson Barbosa.

“A intenção é a construção de uma agenda estratégica para o país que considere o imperativo da descarbonização da economia e as vantagens geográficas e geopolíticas do Brasil. O baixo custo da mão de obra vem perdendo importância para a posição das empresas no mercado global. Hoje, um dos elementos determinantes é o combate às mudanças climáticas”, destacou Robson Braga. “Nesse novo cenário, as empresas têm direcionado investimentos a países e regiões que dispõe de oferta abundante de energia limpa a preços competitivos. O Brasil, que tem um imenso potencial para a produção de energia limpa, pode se beneficiar do powershoring”, concluiu o presidente da CNI.